ITINERÁRIOS DIGITAIS COMO FOMENTO AO ENGAGEMENT NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: UMA PEDAGOGIA PERMEADA POR CONEXÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25112/rpr.v1.2434

Palavras-chave:

Engagement acadêmico, Tecnologias Digitais, Formação, Educação Superior, Ensino de Graduação

Resumo

Este artigo sintetiza dados oriundos de tese defendida em janeiro de 2020 para a obtenção de Doutorado em Educação, realizado em Instituição privada, localizada no Sul do Brasil. A problematização estabelecida para a investigação visou a analisar: Quais fatores mais contribuem para promover o engagement de estudantes do primeiro ano da graduação? Para análise dos dados optou-se por uma metodologia combinada, amparada pela triangulação de dados como fundamento lógico para fontes múltiplas de evidências. Esta metodologia propiciou a produção de uma análise mais completa e confiável para consequente elaboração de uma proposta de teoria integrada de engagement acadêmico para o contexto brasileiro, como proposição de tese. O questionário on-line foi o instrumento escolhido para a coleta de dados, aplicado a setenta e oito alunos do primeiro ano da graduação de seis Instituições de Ensino Superior, localizadas em três Estados brasileiros. Os fatores apontados pelos respondentes destacaram em ordem de preferência: 1) Relações Interpessoais; 2) Formação Acadêmica (postura/atitudes do professor); 3) Tecnologias Digitais; 4) Infraestrutura da Instituição; 5) Formação pessoal/interesse e dedicação do próprio aluno; 6) Suporte Acadêmico; 7) Conteúdos trabalhados/ofertados; 8) Áreas de Lazer/entretenimento; 9) Sentimento de pertença universitária.

Biografia do Autor

Rosa Maria Rigo, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/Brasil). Professora-tutora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas (Três Corações/Brasil). E-mail: rosa.rigo@ifsuldeminas.edu.br

José António Marques Moreira, Universidade Aberta de Portugal

Doutor em Ciências da Educação pela Universidade de Coimbra (Coimbra/Portugal). Professor Associado com Agregação no Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta (Lisboa/Portugal). E-mail: jmoreira@uab.pt

Sara Dias- Trindade, Universidade de Coimbra

Doutora em História - Didática pela Universidade de Coimbra (Coimbra/Portugal). Professora na Faculdade de Letras e investigadora integrada do Centro de Estudos Interdisciplinares da Universidade de Coimbra (Coimbra/Portugal). E-mail: sara.trindade@uc.pt

Referências

AMIEL, T.; REEVES, T. C. Design-Based Research and Educational Technology: Rethinking Technology and the Research Agenda. Educational Technology & Society, v. 11, n. 4, p. 29-40, 2008. Disponível em: http://www.uh.cu/static/documents/RDA/DesignBased%20Research%20Edul%20Tech.pdf. Acesso em: 09 set. 2019.

BACICH, L.; HOLANDA, L. (org.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. Porto Alegre: Penso, 2010. 306 p.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto,1996. 316 p.

BARRET, J.; GAVENTA, G. So What Difference Does it Make? Mapping the Outcomes of Citizen Engagement, Institute of Development Studies at the University of Sussex. Brighton, England: University of Sussex, 2010. 69 p.

BAUMANN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007. 119 p.

BÉDARD, D.; BÉCHARD, J. Comprendre le monde des étudiants. In: BÉDARD, D.; BÉCHARD, J. (ed.). Innover dans l’enseignement supérieur. Paris: Puf, 2009. c. 3, p. 61-76.

BERSIN, J. It’s Time to Rethink the ‘Employee Engagement’. 2014. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/joshbersin/2014/04/10/its-time-to-rethink-the-employee-engagement-issue/3/#28bd71955679. Acesso em: 27 fev. 2018.

BEZERRA, J. O Cinema do futuro: entre novas e tradicionais tecnologias, entre a morte e a reinvenção. Revista Intexto, Porto Alegre, v. 2, n. 21, p. 88-101, 2009.

BOALER, J. Mente sem barreiras: as chaves para destravar seu potencial ilimitado de aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2020. 228 p.

BORDWELL, D.; THOMPSON, K. A arte do cinema: uma introdução. Campinas: Ed. Unicamp, 2013. 768 p.

BURNETT, L.; LARMAR, S. Improving the first year through an institution-wide approach: the role of first year advisors. The International Journal of the First Year in Higher Education, v. 2, n. 1, p. 21-35, 2011. DOI: https://doi.org/10.5204/intjfyhe.v2i1.

BRUNER, J. S. Sobre a teoria da instrução. São Paulo: Phorte Editora, 2006. 172 p.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_sit e.pdf. Acesso em: 09 set. 2019.

CARBONELL, J. Pedagogias do século XXI. 3. ed. Porto Alegre: Penso, 2016. 263 p.

COATES, H., RANSON, L. DNA abandonado e a genética do suporte efetivo. AUSSE Research Briefings, v.11, 2011. DOI: https://DOI.org/10.5204/intjfyhe.v2i1.40.

COMIN, A. A.; BARBOSA, R. J. Trabalhar para estudar: sobre a pertinência da noção de transição escola-trabalho no Brasil. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 91, nov. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002011000300004. Acesso em: 09 set. 2019.

COUTO, E. S. Pedagogias das conexões. Compartilhar conhecimentos e construir subjetividades nas redes sociais digitais. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa (Org.). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB. 2014. 257 p.

DARLING-HAMMOND, L. et al. Preparando os professores para um mundo em transformação: o que devem aprender e estar aptos a fazer. Porto Alegre: Penso, 2019. 508 p.

DEBALD, B. et al. Metodologias ativas no ensino superior: o protagonismo do aluno. Porto Alegre: Artmed, 2020. 110 p.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introduction: the discipline and practice of qualitative research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Ed.). The SAGE handbook of qualitative research. 4. ed. Thousand Oaks: SAGE. 2005.

DONAIRES, O. S. Uso combinado de metodologias sistêmicas: uma abordagem para lidar com situações-problema em cenários complexos de gerenciamento de organizações. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS, 8., 2012. Anais... Poços de Caldas: PUCMINAS, 2012. Disponível em: https://www.pucpcaldas.br/graduacao/administracao/revista/artigos/esp1_8cbs/04.pd f. Acesso em: 01 dez. 2019.

EDWARDS, J. R.; SCULLY, J. A.; BRTEK, M. D. The nature and outcomes of work: A replication and extension of interdisciplinary work-design research. Journal of Applied Psychology, Washington, v. 85, n. 6, p. 860-868, dez. 2000.

FADEL, C.; BIALIK, M.; TRILLING, B. Educação em Quatro Dimensões: As competências que os estudantes devem ter para atingir o sucesso. Boston, MA: Center for Curriculum Redesign, 2015. 156 p.

GARCIA, M. S. Mobilidade tecnológica e planejamento didático. São Paulo: Senac, 2017. 365 p.

HATTIE, J. Aprendizagem Visível para Professores. Porto Alegre: Editora Grupo A, Selo Penso, 2017. 280 p.

HU, S.; MCCORMICK, A. An engagement-based student typology and its relationship to college outcomes. Research in Higher Education, Georgia, v. 53, n. 7, p. 738-754, 2012. DOI:10.1007/s11162-012-9254-7.

IKENBERRY, S.; EWELL, P.; KUH, G. Governing Boards and Student Learning Outcomes Assessment. Trusteeship, v. 24, n. 1, jan./fev. 2016. Disponível em: https://agb.org/trusteeship-article/governing-boards-and-student-learning-outcomesassessment/. Acesso em: 09 set. 2019.

JANZEN, K. J.; PERRY, B.; EDWARDS, M. Aligning Quantum Learning to Instructional Design: Exploring the Seven Definitive Questions. International Review of Research in Open and Distance Learning, v. 12, n. 7, p. 56-73, Oct. 2011.

KAHU, E. R.; NELSON, K.; PICTON, C. Student interest as a key driver of engagement first year students. Student Success, v. 8, n. 2, p. 55-66. 2017. DOI: 10.5204/ssj.v8i2.379.

KRAUSE, K. L. On Being Strategic About the First Year. Keynote, Queensland University of Technology First Year Forum, 5 Oct. 2006.

KRAUSE, K.; COATES, H. Students’ engagement in first-year university. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 33, n. 5, p. 493-505, 2008. DOI:10.1080/02602930701698892

LARMAR, S. A.; INGAMELLS, A. Enhancing the First-Year University Experience: linking university orientation and engagement strategies to student connectivity and capability. Research in Comparative and International Education, v. 5, n. 2. 2010. DOI.org/10.2304/rcie.2010.5.2.210

LOUREIRO, R. Da Teoria Crítica de Adorno ao Cinema Crítico de Kluge: educação, história e estética. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006. Disponível em: http://pct.capes.gov.br/teses/2006/927018_6.PDF. Acesso em 16 out. 2019.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MATTA, A. E. R.; SILVA, F. P. S.; BOAVENTURA, E. M. Design-based research ou pesquisa de desenvolvimento: metodologia para pesquisa aplicada de inovação em educação do século XXI. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 23, n. 42, p. 23-36, jul./dez. 2014. Disponível em: http://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/viewFile/1025/705. Acesso em: 09 set. 2019.

MAZZARDO, M. D. et al. Design-Based Research: desafios nos contextos escolares. Atas: Investigação Qualitativa em Educação, v. 1. 2016.

MENTZ, C. A significação no cinema. São Paulo: Perspectiva, 2010. 296 p.

MINAYO, M. C. S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. (Org.). Avaliação por Triangulação de Métodos: Abordagem de Programas Sociais. São Paulo: Fiocruz, 2008, 244 p.

MOREIRA, J. A.; BARROS, D.; MONTEIRO. A. (Org.). Inovação e Formação na sociedade Digital: ambientes virtuais, tecnologias e Serious Games. Santo Tirso: WhiteBooks, 2015. 220 p.

MOREIRA, J. A.; VIEIRA, C. P. (Org.). eLearning no Ensino Superior. Coimbra: CINEP/IPC, 2017. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/6911/3/APM_2017.pdf. Acesso em: 09 set. 2019.

NSSE. National Survey of Student Engagement, 2017. Disponível em: http://nsse.indiana.edu/. Acesso em: 02 maio 2018.

OBLINGER, D. G. Learning Spaces. EDUCAUSE. Disponível em: www.educause.edu/learningspaces. 2006. Acesso em: 10 maio 2018.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). The future of education and skills: Education 2030. OECD, 2018. Disponível em: https://www.oecd.org/education/2030/E2030%20Position%20Paper%20(05.04.2018) .pdf. Acesso em: 05 mar. 2018.

PARSONS, J.; TAYLOR, L. Improving Student Engagement. Current Issues in Education, v. 14, n. 1, 2011. Disponível em: https://cie.asu.edu/ojs/index.php/cieatasu/article/download/745/162/. Acesso em: 16 jul. 2019.

PIANGERS, M.; BORBA, G. A escola do futuro: o que querem (e precisam) alunos, pais e professores. Porto Alegre: Penso. 2019. 130 p.

RASHID, T.; SELIGMAN, M. P. Psicoterapia positiva: manual do terapeuta. Porto Alegre: Artmed, 2019. 364 p.

RIGO, R. M.; MOREIRA, J. A. M.; VITÓRIA, M. I. Engagement Acadêmico no ensino superior: Entre competências, pedagogias e tecnologias. 1. ed. São Tirso/Portugal: Whitebooks; 2018. 71 p.

RIGO, R. M. Engagement Acadêmico: Contributos das tecnologias digitais para um processo trans[formativo] nas relações de engajamento na Educação Superior. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Educação, PUCRS, 2020. 197 p.

SCHAUFELI, W.; DIJSTRA, P.; VASQUEZ, A. C. Engajamento no trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013. 114 p.

SINAY, E.; GRAIKINIS, D. Global Competencies in Deeper Learning Environments Enabled by Pervasive Digital Technologies: Evolving Framework for Theoretical Foundation and Developmental Evaluation. Research Report, n. 17, p. 18-22. 2018.

TINTO, V. Taking student retention seriously: Rethinking the first year of university. Keynote address presented at the ALTC FYE Curriculum Design Symposium, Queensland University of Technology, Brisbane, Australia. 2009. Disponível em: http://nhcuc.org/pdfs/Taking_Student_Retention_Seriously.pdf. Acesso em: 16 set. 2017.

TROWLER, V. Student engagement evidence summary. Lancaster: The Higher Education Academy. 2010. Disponível em: http://eprints.lancs.ac.uk/61680/1/Deliverable_2._Evidence_Summary._Nov_2010.pdf. Acesso em: 16 set. 2017.

UNESCO. Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel. Paris: UNESCO, 2015. Disponível em: http://www.bibl.ita.br/UNESCO-Diretrizes.pdf. Acesso em: 06 jan. 2019.

YIN R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman. 2007. 200 p.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016. 313 p.

Wef-Wordl Economic Forum. New Vision for Education: Fostering Social and Emotional Learning through Technology. Cologny/Geneva: World Economic Forum. 2016.

WIGGINS, G. J.; MCTIGHE, J. Planejamento para a compreensão: alinhando currículo, avaliação e ensino por meio da prática do planejamento reverso. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2019. 690 p.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Rigo, R. M., Moreira, J. A. M., & Trindade, S. D.-. (2021). ITINERÁRIOS DIGITAIS COMO FOMENTO AO ENGAGEMENT NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: UMA PEDAGOGIA PERMEADA POR CONEXÕES. Revista Prâksis, 1, 113–138. https://doi.org/10.25112/rpr.v1.2434