A REALIZAÇÃO DA EPÊNTESE EM CRIANÇAS COM E SEM O DESVIO FONOLÓGICO EVOLUTIVO

Ananda Ramos-Pereira, Vanessa Henrich, Letícia Pacheco Ribas

Resumo


As crianças desenvolvem a linguagem nos anos inicias de vida através do processamento fonológico. Tal processamento, para ser considerado normal, deve estar concluído até aproximadamente os cinco anos de idade. Muitas vezes, durante a aquisição fonológica, percebem-se estratégias de reparo que facilitam a produção do alvo na impossibilidade de sua realização. É a partir de estudos na área da Linguística e da Fonologia Clínica que os fenômenos que ocorrem na aquisição fonológica típica e atípica podem ser explicados, permitindo um melhor entendimento sobre o que ocorre com a linguagem. Além disso, o estudo contribui para que as ações desenvolvidas nas terapias fonoaudiológicas sejam balizadas pelos achados de pesquisa e utilizadas de modo mais profícuo com as crianças que apresentam alterações de natureza fonológica. Nesse sentido, este estudo visa à elucidação de fatos relacionados à aquisição do onset complexo e o uso da estratégia de reparo chamada ‘epêntese’. Com o objetivo de auxiliar no entendimento sobre o uso dessa estratégia de reparo, este trabalho demonstrou que, na aquisição fonológica típica, é possível verificar uma maior ocorrência de epêntese, se comparado a crianças que apresentam desvio fonológico evolutivo e o que parece influenciar tal ocorrência é a pergunta a que se pretende responder.

Palavras-chave: Aquisição Fonológica. Onset Complexo. Epêntese. Desvio Fonológico.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25112/rp.v1i0.715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


............................................................................................................................................................................................................................

ISSN versão impressa: 1807-1112 
ISSN versão eletrônica: 2448-1939

Licença Creative Commons
A Revista Prâksis segue os critérios da Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Prâksis - Universidade Feevale (Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, Brasil).

............................................................................................................................................................................................................................
 
Desde 16/08/19