O TEMPO COMO INVENÇÃO DA VIDA: REFLEXÕES EM TORNO DO PENSAMENTO DE H. BERGSON

Cristiane Celestina Michel, Magali Mendes de Menezes

Resumo


Este artigo apresenta alguns resultados iniciais de um projeto de pesquisa que se propõe a refletir a noção de tempo na filosofia de Bergson, buscando explicitar seus principais conceitos com o intuito de repensar o tempo no espaço escolar. Esse conhecimento teórico é fundamental para problematizarmos, a partir de outras perspectivas, a educação. Isso nos leva a uma nova concepção de construção de conhecimento, com base na liberdade, criação e singularidade de cada sujeito. Por esse motivo, compreender o tempo é redescobrir o ser humano e entender a vida. O tempo, na teoria de Bérgson, está vinculado a uma memória “consciência”, que pode fazer com que um acontecimento dure organizando o antes e o depois, alterando, desse modo, o presente. É dessa forma que tempo é fundamentalmente duração, em que passado, presente e futuro são tempos que se entrecruzam, deixando de serem pensados em sua linearidade, diferindo, assim, da forma usual em que pensamos o tempo.

Palavras-chave: Tempo. Duração. Memória. Impulso Vital. Escola.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25112/rp.v1i0.687

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


............................................................................................................................................................................................................................

ISSN versão impressa: 1807-1112 
ISSN versão eletrônica: 2448-1939

Licença Creative Commons
A Revista Prâksis segue os critérios da Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Prâksis - Universidade Feevale (Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, Brasil).

............................................................................................................................................................................................................................
 
Desde 16/08/19