O (DES)SILENCIAMENTO HISTÓRICO EM UM DEFEITO DE COR, DE ANA MARIA GONÇALVES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25112/rpr.v1.2430

Palavras-chave:

Literatura, História, Metaficção, Escravidão

Resumo

Este trabalho analisa (des)silenciamento histórico do sujeito negro, especificamente da mulher negra representada pela personagem Kehinde de Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves, tendo em vista que, ao longo de muitos anos, a narrativa histórica vem negligenciando os relatos históricos do e sobre o centro através da disseminação do discurso patriarcal no ocidente. Os sujeitos contestadores, sejam eles marginalizados ou não, passam a reexaminar os sistemas totalitários que oprimem e omitem outras histórias. Assim sendo, procura-se estudar, por meio de um estudo de cunho bibliográfico, o debate historiográfico e sua relação com a narrativa literária, a fim de analisar a relação da história a respeito do sistema escravocrata no Brasil com a literatura como forma de revisão dessa historiografia, a partir do romance Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves.

Biografia do Autor

Marinês Andrea Kunz, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/Brasil). Professora Adjunta da Universidade Federal da Paraíba (João Pessoa/Brasil). E-mail: marinesak@feevale.br

Letícia Moraes Marques, Universidade Feevale

Mestranda em Processos e Manifestações Culturais pela Universidade Feevale (Novo Hamburgo/Brasil). E-mail: leticiamoraes@feevale.br

Referências

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1978.

DALCASTGNÈ, Regina. O espaço da dor. O regime de 64 no romance brasileiro. Brasília: Universidade de Brasília, 1996.

DALCASTGNÈ, Regina (Org.). Ver e imaginar o outro. São Paulo: Horizonte, 2008.

EMICIDA; NAVE. Boa Esperança. Álbum: sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa. Compositores: Leandro Oliveira, Letra de Boa Esperança, 2015. Disponível em: HTTPS://www.youtube.com/watch?v=s96Xp0EmfDw. Acesso em: 02 de mai. 2018.

ENTREVISTA À TV BRASIL. Entrevistada: Conceição Evaristo. Entrevistadora: Bárbara Araújo Machado. Rio de Janeiro, 30 set. 2010. Disponível em: http://tvbrasil.ebc.com.br/estacao-plural/2017/06/nao-escrevemos-para-adormecer-os-da-casa-grande-pelo-contrario-diz-conceicao. Acesso em: 5 Jun. 2018.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (Org.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia; Editora Universitária UFPB, 2005.

EVARISTO, Conceição. Becos da Memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Trad. de José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2015.

HUTCHEON, Linda. Poética do Pós-modernismo: história, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tomo III. Campinas, São Paulo: Papirus, 1997.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

VASCONCELOS, Vania Maria Ferreira de. No colo das iabás: raça e gênero em escritoras afro-brasileiras. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2015.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Kunz, M. A., & Marques, L. M. (2021). O (DES)SILENCIAMENTO HISTÓRICO EM UM DEFEITO DE COR, DE ANA MARIA GONÇALVES. Revista Prâksis, 1, 218–233. https://doi.org/10.25112/rpr.v1.2430