TERRITÓRIO, CAMPESINATO E TRADIÇÃO: A CUCA (KUCHEN) COMO ELEMENTO EMBLEMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO NO MÉDIO VALE DO ITAJAÍ E SUA RELAÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Daniela Matthes, Marilda Checcucci

Resumo


Este artigo apresenta resultados de uma investigação no Médio Vale do Itajaí (estado de Santa Catarina, Brasil) cujo objetivo foi analisar a Cuca (Kuchen) como elemento emblemático de identificação dos seus moradores e a sua relação com o desenvolvimento no território. Entendemos que a Cuca (Kuchen) tem posição de elemento emblemático dentro do sistema alimentar que se formou no Médio Vale do Itajaí. Isto porque está frequentemente presente na mesa de seus moradores até os dias atuais, estando relacionada à uma tradição e identidade local. Trata-se também de um importante produto do comércio étnico (ligado diretamente à manutenção da agricultura familiar) e recentemente vem sendo percebida como alimento “típico”, enquantoatrativo do turismo gastronômico local. Este estudo busca preencher a lacuna existente nos estudos relativos à relação entre identidade,alimentação e desenvolvimento entre grupos oriundos de imigrantes no Brasil, especificamente do Médio Vale do Itajaí. Para tanto, partimos do arcabouço da Antropologia da Alimentação e do método etnográfico com oito entrevistas em profundidade, além de pesquisas de campo, para obter informações relevantes ao estudo sobre a Cuca (Kuchen). Observamos que a Cuca (Kuchen) resultou de um sistema alimentar que foi constituído pelos imigrantes teutos na região, tendo se tornado ao longo do tempo um elemento essencial de sua identidade no terrirório e fez parte do desenvolvimento da região, acompanhando suas transformações.
Palavras-chave: Cuca. Identidade. Médio Vale do Itajaí. Território. Desenvolvimento regional.

ABSTRACT
This article presents results of an investigation in the Middle of Itajaí (Santa Catarina state, Brazil), whose objective was to analyze the Cuca (Kuchen) as an emblematic element of the identification of the inhabitants and the relation with the local development. We understand that Cuca (Kuchen) has a position as an emblematic element within the food system in the Middle Itajaí Valley because it is frequently present at the table of its residents, being related to local identity, it is important product of the ethnic trade (directly linked to the maintenance of agriculture familiar) and has recently been perceived as “typical” food, capable of being attractive to local gastronomic tourism. This study seeks to fill the gap in the studies related to the identity and feeding relationship between groups originating from immigrants in Brazil, specifically in the Middle Vale do Itajaí. To do so, we started with the framework of Food Anthropology and the ethnographic method with eight in-depth interviews, as well as field surveys, to obtain information relevant to the study on Cuca (Kuchen)
Keywords: Cuca. Identity. Médio Vale do Itajaí. Territory. Regional development.


Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, V. Cultura Alimentar: Contribuições da antropologia da alimentação. Saúde em Revista, Piracicaba, 2004, v. 13, n. 6, p. 37-44.

CALVO, Manuel. Migration et Alimentation. Social Science Information, v. 21, n. 3, p. 383-446, 1982.

CRUZ NETO, O. Cap III. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

DAHLKE, H. Hanna-lora Dahlke: depoimento. [julho, 2015]. Entrevistadora: Daniela Matthes. Pomerode, 2015. 29MB, 00:52min. Entrevista concedida à pesquisa ligada ao PPGDR-FURB.

DEEKE, J. O município de Blumenau e a história de seu desenvolvimento. Blumenau: Nova Letra, 1995.

DIEHL, A. A.; TATIM, D. C. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e ténicas. São Paulo: Pearson Education, 2004.

EBEL, I. Comida alemã tipicamente blumenauense. Jornal de Santa Catarina, Blumenau, 09 out. 2015.

FECAM, Federação Catarinense de Municípios. Histórico. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2016

FISCHLER, C. Comer: A alimentação de franceses, outros europeus e americanos. São Paulo: Senac, 2010.

______. Cultura e gastro-anomia: psicopatologia da alimentação cotidiana: depoimento. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 17, n. 36, p. 235-256, 2011. Entrevista concedida a Mirian Goldenberg.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GRABOLLE, H. Cuca alemã – uma tradição germânica. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

LAPLANTINE, F. Aprender Antropologia. 2. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

MACIEL, M. E. Patrimônio, Tradição E Tradicionalismo: O Caso Do Gauchismo, No Rio Grande Do Sul. Revista de Humanidades, Caicó, v. 7, n. 18, p. 439-460, nov. 2005.

MATTHES, G. Gerold Matthes: depoimento. [junho, 2015]. Entrevistadora: Daniela Matthes. Indaial (SC). 17MB, 1h16min.

MATTHES, I. Idalina Matthes: depoimento. [junho, 2015]. Entrevistadora: Daniela Matthes. Indaial (SC). 17MB, 1h16min. Entrevista concedida à pesquisa ligada ao PPGDR-FURB.

MATTA, R. O que faz do brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

MENASCHE, R.; SCHMITZ, L. C. Agricultores de origem alemã: trabalho e vida. In: GODÓI, Emilia Pietrafesa de; MENEZES, Marilda Aparecida de; MARIN, Rosa Acevedo (Org.). Diversidade do Campesinato: expressões e categorias - História Social do Campesinato no Brasil - Tomo IV. São Paulo: Ed. UNESP, 2009, p. 163-184.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. Ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.

OLIVEIRA, R. C. O trabalho do antropólogo. 2. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

PEREIRA, M. N. Panorama da alimentação indígena: Comidas, Bebidas & Tóxicos na Amazônia Brasileira. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1974.

POLLAN, M. Cozinhar: Uma história natural da transformação. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

PROGRAMA POVOS INDÍGENAS NO BRASIL (Brasil). Xokleng. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2017.

REINHARDT, J. C. Alemães, Comida e Identidade: Uma tese ilustrada. Curitiba: Máquina de Escrever, 2014.

SACHS, I. et al. Estratégias de Transição para o Século XXI. In: BUZRSYN, Marcel (Org.). Para Pensar o Desenvolvimento Sustentável. Brasília: Editora Brasiliense, 1993. p. 29-56.

SANTOS, M. Metamorfose do Espaço Habitado. São Paulo: HUCITEC, 1988.

SEYFERTH, G. A colonização alemã no Vale do Itajaí-Mirim. Porto Alegere: Movimento, 1974.

______. Imigração e Cultura no Brasil. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1990.

SILVA, M. R . C. G. A alimentação e a culinária de imigração italiana no Vale do Itajaí. In: 22ª Reunião Brasileira de Antropologia - GT Comida e Simbolismo, 2000, Brasília. CD-Room: 22ª RBA. Brasília-DF: ABA, 2000.

______. Imigração italiana e vocações religiosas no Vale do Itajaí. Campinas: Furb/Unicamp, 2001.

______. O Impacto da Imigração Européia sobre a Produção de Alimento e a Culinária do Médio Vale do Itajaí – SC. In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; ECKERT, Cornelia; BELTRÃO, Jane Felipe (Org.). Antropologia e Patrimônio Cultural: Diálogos e Desafios Contemporâneos. Blumenau: Nova Letra. p. 101-132, 2007.

______. Território e tradição: o Kochkäse como Patrimônio Cultural Imaterial do Vale do Itajaí. In: Reunião Brasileira De Antropologia, 30., 2016, João Pessoa. Anais... João Pessoa, 2016.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von (2005). Imagem e memória. In: SAMAIN, Etienne (Org.). O fotográfico. 2. ed. São Paulo: Senac São Paulo, 2016, v. 1, p. 18-34.

SCHNEIDER, D. M. American Kinship a cultural account. The University of Chicago Press. 1980.

SOUZA, Cristiane Mansur de Moraes; THEIS, Ivo Marcos. Desenvolvimento regional: abordagens contemporâneas. Blumenau: Edifurb, 2009.

STAVENHAGEN, Rodolfo. Etnodesenvolvimento uma dimensão ignorada no pensamento desenvolvimentista: uma dimensão ignorada no pensamento desenvolvimentista. Anuário Antropológico, Brasília, 1984, p. 11-44. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2016.

VIDICH, Arthur J.; LYMAN, Stanford M. Métodos qualitativos: Sua história na Sociologia e na Antropologia . In: DENZIN, Norman K. et al. (Org.). O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. São Paulo: Bookmann, 2006. Cap. 2. p. 49-90.

WOORTMANN, Ellen. Memória Alimentar: prescrições e proscrições. In: WOORTMANN, Ellen; A. CAVIGNAC, Julie (Org.). Ensaios sobre a Antropologia da alimentação: saberes, dinâmicas e patrimônios. Natal: Edufrn, 2016. p. 57-90.

______. WOORTMANN, Klaas (1997). O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.




DOI: https://doi.org/10.25112/rpr.v1i0.1537

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


............................................................................................................................................................................................................................

ISSN versão impressa: 1807-1112 
ISSN versão eletrônica: 2448-1939

Licença Creative Commons
A Revista Prâksis segue os critérios da Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Prâksis - Universidade Feevale (Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, Brasil).

............................................................................................................................................................................................................................
 
Desde 16/08/19