SIMBOLISMOS ALIMENTARES E MANJARES DA NOITE MAIS LONGA DO PORTO: ENTRE O SAGRADO E O PROFANO DAS FESTAS DE SÃO JOÃO

Maria José Araújo

Resumo


Não tendo a riqueza alimentar do Natal ou da Páscoa, o manjar cerimonial do S. João no Porto, como o de outros santos populares é isso mesmo: popular. Na véspera, sardinha assada, caldo verde, febras de porco, pimentos, pão e muito, muito vinho. O cordeiro salta do colo do santo e é imolado no dia seguinte com batatas assadas e arroz de forno. Mas noutros alimentos, que nesta noite o não são, reside também a simbologia das festas sanjoaninas: erva-cidreira, manjerico e alho-porro, atores principais da noite de S. João, que protegem e transmitem mensagens fraternas. Alimentos simbólicos, como simbólicos são também a água das fontes e o fogo das fogueiras e os balões que iluminam o céu nesta noite de infindável madrugada. É a vivência atual do S. João no Porto que constitui o tema central deste estudo, através de um passeio pela cidade na sua noite mais longa, identificando através desse percurso o que de mais singular a cidade manifesta e oferece, quais os comportamentos sociais e alimentares desta festa e a respetiva simbologia.
Palavras-chave: São João. Porto. Festa. Manjerico. Alho-porro.

ABSTRACT
Although it does not have the richness of Christmas or Easter, the ceremonial food of St. John´s holiday in OPorto city is, like other popular saints feasts, exactly that: popular. On 23rd june´s evening, sardines, “caldo verde”, pork fibres, roasted peppers, bread, and much, much wine. The lamb jumps out of St John´s shoulders and is immolated with baked potatoes and rice. But in other nourishments, which in this night are not for eating, also lies the symbolism of St. John´s festivities: lemon balm, basil and leek, main actors of St. John´s night, protect and transmit fraternal messages. Symbolic, like fountain´s water and the fire of bonfires and balloons that light up the sky of this endless night. It is the actual experience of St. John in OPorto the focus of this study, experienced in a city tour in its longest night, identifying through this journey what most unique the city manifests and offers, the social and culinary behaviours this festivity holds and its symbology.
Keywords: Saint John. Porto. Festivity. Basil. Leek.


Texto completo:

PDF

Referências


CLETO, J. Lendas do Porto - Volume II. Vila do Conde: Quidnovi - Edições e Conteúdos, S.A., 2012.

COSTA, S. M. Festas e Tradições Portuguesas. Lisboa: Círculo de Leitores, 2002.

FELGUEIRAS, G. O Tripeiro, p. 77-82, 1962.

OLIVEIRA, E. V. D. Festividades Cíclicas em Portugal. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1984.

PACHECO, H. Porto. O Livro do S. João - TOMO I. Porto: Edições Afrontamento, Lda., 2004.

PEDROSO, C. Contribuições para uma Mitologia Popular Portuguesa. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1988.

PESSOA, F. Os Santos Populares. Lisboa: Edições Salamandra, Lda., 1994.

PIMENTEL, A. Noite de S. João. In: POMBO, P. S. João no Porto - Antologia. Porto: Câmara Municipal do Porto, p. 19-23, 1971.

PINA, M. A. Porto, Modo de Dizer. Porto: Edições Asa, 2002.




DOI: https://doi.org/10.25112/rpr.v1i0.1506

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


............................................................................................................................................................................................................................

ISSN versão impressa: 1807-1112 
ISSN versão eletrônica: 2448-1939

Licença Creative Commons
A Revista Prâksis segue os critérios da Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Revista Prâksis - Universidade Feevale (Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul, Brasil).

............................................................................................................................................................................................................................
 
Desde 16/08/19