CONTRIBUIÇÃO DO DESIGN GRÁFICO E DA ERGONOMIA PARA UMA LINGUAGEM DE PRODUÇÃO INCLUSIVA

Autores

  • Marcos Brod Júnior Universidade Federal de Santa Maria
  • Lia Buarque de Macedo Guimarães Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.25112/rco.v2i0.2560

Palavras-chave:

Design, Comunicação, Gráfico-verbal, Gráfico-visual, Pessoas com deficiência, Inclusão, Produção, Indústria

Resumo

Este artigo apresenta o desenvolvimento de um Sistema de Comunicação destinado a usuários ouvintes e não-ouvintes, letrados e semiletrados, para ser utilizado no exercício de Atividades de Produção, ou seja, aquelas que auxiliam na capacitação para cumprimento de tarefas, atendimento de metas de produção, controle de produtividade, dentre outras, especificamente no chão-de-fábrica. Os objetivos foram: a) proporcionar a inclusão e a cidadania através da comunicação no trabalho; b) aprimorar o sistema de comunicação gráfico-visual no chão-de-fábrica; c) resgatar a comunicação gráfico-visual através de signos. Por meio de pesquisas linguísticas e desenhísticas, foram identificados os problemas envolvidos nas situações comunicacionais que envolvem as pessoas com deficiência no ambiente de trabalho, principalmente a linguagem gráfico-verbal no caso dos deficientes auditivos e semiletrados e, também, a pouca participação do desenho-de-comunicação para minimizar os constrangimentos comunicacionais. Foi proposto um agrupamento de elementos gráfico-verbais, gráfico-visuais, e gesto-visuais que compõem o Sistema Linguagem da Produção para aplicação em a) programa de computador que sincroniza ordem de serviço e processo de trabalho; b) cartilha para os trabalhadores; e c) programa sinalético para o chão-de-fábrica para uma empresa do setor metal-mecânico que emprega pessoas com deficiência física/mental, mental e auditiva. O Sistema foi testado e aprovado por pessoas com deficiência auditiva, mas precisa ser avaliado na prática do dia a dia.

Biografia do Autor

Marcos Brod Júnior, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/Brasil). Professor na Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria/Brasil). E-mail: brodjr74@gmail.com.

Lia Buarque de Macedo Guimarães, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

PhD em Engenharia Industrial pela Universidade de Toronto (Toronto/Canadá). Pesquisadora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/Brasil). E-mail: liabmg@gmail.com.

Referências

AICHER, O.; KRAMPEN, M. Sistemas de signos en la comunicación visual. Barcelona: Gustavo Gilli, 2002.

BITELLI, M. S. Contradições nos benefícios das PPD’s: empreendedor. Guia do Empreendedor: do lado da lei. SP: Editora Empreendedor, v. 12, n. 138, abril, 2006.

BITENCOURT, R. S. Proposta de um modelo para o planejamento de instalações industriais livre de barreiras. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

BRASIL. Presidência da Republica, Casa Civil. Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao /constituicao.htm>. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Lei n. 8.213, 24 jul. 1991. Dispõe sobre os planos de benefícios da Previdência Social e dá outras providências, art. 9º, §3º. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/Leis/L8213cons.htm>. Acesso em: 28 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência, Portaria nº 1.060, de 5 de junho de 2002. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/politica_nacional_saude_pessoa_deficiencia.pdf>. Acesso em: 28 fev. 2021.

COSTA, G. Analfabetismo resiste no Brasil e no mundo do século 21. Publicado em 08/09/2019, Agência Brasil, Brasília. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-09/analfabetismo-resiste-no-brasil-e-no-mundo-do-seculo-21#:~:text=A%20proporção%20de%20analfabetos%20funcionais, (41%2C2%20milhões>. Acesso em: 26 mar. 2021.

CRAWFORD, R. P. The Techniques of Creative Thinking. Burlington: Fraser, 1984.

DUAILIBI, R.; SIMONSEN JR. Criatividade & Marketing. São Paulo: Pearson Makron Books, 2008.

GOMES, L. A. V. N. Desenhando um panorama dos sistemas gráficos. Santa Maria: UFSM, 1998.

GOMES, L. A. V. N. Criatividade e Design: um livro de desenho industrial para projeto de produto. Porto Alegre: sCHDs, 2011.

IBGE Educa. Conheça o Brasil – População: pessoas com deficiência. Disponível em: <https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/20551-pessoas-com deficiencia.html#:~:text=Considerando%20somente%20os%20que%20possuem,correspond %20a%206%2C7%25%20da>. Acesso em: 10 mar. 2021.

IEA. International Ergonomics Society: definition, domains of specialization, systemic approach. Disponível em: <https://iea.cc/definition-and-domains-of ergonomics/#:~:text= Cognitive%20ergonomics%20is%20concerned%20with,other%20elements%20of%20a%20system>. Acesso em: 18 mar. 2021.

INSTITUTO PESTALOZZI DE CANOAS. Disponível em: <http://www.pestalozzi-canoas.org.br/>. Acesso em: 18 mar. 2021.

LIDWELL, W.; HOLDEN, K.; BUTLER, J. Universal principles of design: a crossdisciplinary reference. Massachusetts: Rockport Publishers, 2003.

MANN, D. Creating a lean culture: tools to sustain lean conversions. New York: Productivity Press, 2005.

MARCHESI, A. Comunicação, linguagem e pensamento das crianças surdas. In: COLL, Cesar. Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 198-221, 1996.

MEDEIROS, L. M. S. Desenhística. Santa Maria: sCHDs, 2004.

OIT. Organização Internacional do Trabalho: C159 Reabilitação profissional e emprego de pessoas deficientes. 1983. Texto extraído do livro “Convenções da OIT” de Arnaldo Süssekind, 2ª edição, 1998. 338p. Gentilmente cedido pela Ed. LTR. Disponível em: <https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_236165/lang--pt/index.htm>. Acesso em: 20 fev. 2021.

ONU. Resolução ONU 3.447, de 09 de dezembro de 1975. Disponível em: <http://www.faders.rs.gov.br/legislacao/6/40#:~:text=As%20pessoas%20deficientes%2C%20qualquer%20que,normal%20e%20plena%20quanto%20poss%C3%ADvel>. Acesso em: 18 mar. 2021.

ONU. Resolução ONU 45/91, de 14 de dezembro de 1990. Disponível em: <http://www.faders.rs.gov.br/legislacao/6/38>. Acesso em: 18 mar. 2021.

PLINSKI, R. Oficialização de sinais em Libras, 2010 [mensagem pessoal], mensagem recebida por autor.

REDIG, J. Sobre desenho industrial (ou design) e desenho industrial no Brasil. Porto Alegre: Ed. Fac-simile, Ed. UniRitter, 2005.

ROSA, N. M. F. da. As relações de trabalho da PPD, um estudo inclusivo, RS. 2003. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Engenharia, Porto Alegre, 2003.

SANTOS, A. dos. Gerenciamento sensorial de canteiros de obra: teoria e prática. Curitiba: Arquivo eletrônico em cedê, 2003.

SASSAKI, R. K. Deficiência, trabalho, inclusão e cidadania. In: Congresso empresariado trabalho e deficiência na era da globalização, 1., 7-9 de out. 1999, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Hotel Glória, 1999.

SIMONI, M. de. Trabalhar é preciso: reflexões sobre o conceito de trabalho humano e suas implicações para a Engenharia de Produção. Santa Maria: sCHDs Editora, 2004.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

Brod Júnior, M., & Buarque de Macedo Guimarães, L. (2021). CONTRIBUIÇÃO DO DESIGN GRÁFICO E DA ERGONOMIA PARA UMA LINGUAGEM DE PRODUÇÃO INCLUSIVA. Revista Conhecimento Online, 2, 88–113. https://doi.org/10.25112/rco.v2i0.2560

Edição

Seção

Dossiê