INCLUSÃO E LETRAMENTO DIGITAL DO IDOSO NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

Autores

  • Bruno dos Santos Joaquim Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
  • Werley Carlos de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Lucila Pesce Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

DOI:

https://doi.org/10.25112/rco.v1i0.2363

Resumo

RESUMO

O presente artigo configura-se como um estudo teórico-conceitual que integra duas pesquisas desenvolvidas, respectivamente, em nível de doutorado e de pós-doutorado em Educação. O texto tem por objetivo compreender a inclusão e o letramento digital do idoso, a partir da perspectiva da educação ao longo da vida, fundamentada na acepção humanista do conceito. O exponencial avanço tecnológico e o crescimento da população de pessoas idosas no Brasil e no mundo tornam pungente a necessidade de discutir a inclusão digital dessa faixa etária, bem como a ideia de uma educação que perdure durante todo o processo de viver. A inclusão digital impacta diretamente o pleno exercício da cidadania dos sujeitos sociais contemporâneos, uma vez que as linguagens hipermidiáticas do ciberespaço permeiam várias práticas sociais. Nesse contexto, o artigo propõe uma discussão entre quatro conceitos, a saber: aprendizagem ao longo da vida, inclusão digital, letramento digital e empoderamento (na acepção freiriana do termo). Considera-se que a inclusão digital é uma das facetas da inclusão social do idoso, pelo seu relevante papel na conquista da sua autonomia e do pleno exercício da cidadania. Os conceitos ora apresentados – letramento digital do idoso, aprendizagem ao longo da vida e empoderamento – buscam fornecer argumentos conceituais para melhor compreender as possíveis contribuições da inclusão digital, em uma sociedade marcada pelo fortalecimento das linguagens hipermidiáticas junto às práticas sociais contemporâneas.

Palavras-chave: Idoso. Inclusão Digital. Letramento Digital. Educação ao Longa da Vida. Empoderamento.

 

ABSTRACT

This article is configured as a theoretical-conceptual study, which integrates two researchers developed at the doctoral and post-doctoral level in Education. The text aims to understand digital literacy from the perspective of lifelong education, based on the humanistic perspective of the concept. The exponential technological advance and the growth of the population of elderly people in Brazil and in the world make the need to discuss the digital inclusion of this age group, as well as the idea of an education that lasts throughout the process of living. Digital inclusion directly impacts the full exercise of citizenship by contemporary social subjects, since the hypermedia languages of cyberspace permeate a lot of social practices. In this context, the article seeks discussion between four concepts: lifelong learning, digital inclusion, digital literacy and empowerment (in the freiriana sense of the term). It is considered that digital inclusion is understood as one of the facets of the social inclusion of the elderly, due to its relevant role, in the achievement of their autonomy and their full exercise of citizenship. The concepts presented here - digital literacy of the elderly, lifelong learning and empowerment - seek to provide conceptual arguments to better understand the possible contributions of digital inclusion, in a society marked by the strengthening of hypermedia languages along with contemporary social practices.

Keywords: Elderly. Digital inclusion. Digital Literacy. Lifelong Education. Empowerment.

Biografia do Autor

Bruno dos Santos Joaquim, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

Doutorando e mestre em Educação pela Universidade Federal do Estado de São Paulo (EFLCH -UNIFESP). Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) e especialização em Ética, Valores e Cidadania na Escola pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Professor e Coordenador do Colégio Jean Piaget - Santos. Tem experiência na área de Sociologia, Geografia e Educação, com ênfase em Sociologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: cibercultura, web 2.0, tecnologia educacional e educação de jovens e adultos. Membro do Grupo de Pesquisa LEC: Linguagem, Educação e Cibercultura (EFLCH/UNIFESP). 

Werley Carlos de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Pós-doutorando em Educação pela UNIFESP, doutor e mestre em Tecnologias da Inteligência e Design Digital pela PUC-SP, graduado em Psicologia pela Universidade São Marcos, graduado em Criação e Desenvolvimento de WebSites pela Universidade Anhembi-Morumbi, pós-graduado em Gestão e Tecnologia em Segurança da Informação pela Faculdade Impacta, possui especialização Gestão de Projetos pela Fundação Vanzoline. Trabalha no Sesc SP, na área de Educação Corporativa com implantação de Ambiente Virtual de Aprendizagem, desenvolvimento de cursos nos formatos presencial e a distância. Desenvolve atividades com AVA Moodle, Saba e Flashmeeting da Open University. Experiência em formação on-line. O interesse em pesquisa é formação online, educação a distância, gestão escolar e tecnologia, aprendizagem em ambientes virtuais (AVA), interdisciplinaridade, transdisciplinaridade e pensamento complexo.

Lucila Pesce, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

Doutora (2003) e mestre (1999) em Educação: Currículo, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), com pós-doutorado (2007) em Filosofia e História da Educação, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); bacharel e licenciada em Letras - Português e Inglês (1985), pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). Professora Associada do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); professora credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIFESP. Vice-coordenadora do curso de Pedagogia da UNIFESP (julho de 2017 a julho de 2019). Líder do Grupo de Pesquisa LEC: Linguagem, Educação e Cibercultura. Consultora ad hoc do GT 16 (Educação e Comunicação) da ANPED - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação de 2007 a 2017. Atualmente é vice-coordenadora do GT 16 da ANPEd (gestão 2017-2019; 2019-2021). Membro das seguintes redes internacionais de pesquisa: REPEM (Rede de Pesquisas em Educação e Mídia, Unirio), Red Estrado (Rede Latino-Americana de Estudos sobre Trabalho Docente), COLEARN (Collaborative Open Learning, The Open University, vinculada à Responsible Research and Innovation - RRI). Membro do Comitê Gestor do LIFE - Unifesp: Laboratório Interdisciplinar de Formação de Educadores (CAPES), de agosto de 2012 a maio de 2019. Tem investigado nas seguintes áreas: Linguagens Hipermidiáticas e Processos Formativos; Linguagens Hipermidiáticas e Educação Básica; Linguagens Hipermidiáticas e Formação Inicial de Professores; Linguagens Hipermidiáticas e Formação Continuada de Professores.  

Downloads

Publicado

2021-01-11

Edição

Seção

Artigos Livres