MODA, CONFORTO E INOVAÇÃO NO VESTUÁRIO DE MULHERES IDOSAS

Autores

  • Claudia Schemes Universidade Feevale
  • Malusa Fernanda Schuch Universidade Feevale

DOI:

https://doi.org/10.25112/rco.v2i0.2234

Palavras-chave:

Moda, Idosas, Nanotecnologia, Inovação

Resumo

O envelhecimento populacional mundial é uma realidade e, segundo a ONU, em 2025 o Brasil será o 6º país com mais velhos no mundo, além disso, aumenta cada vez mais o número de mulheres na população idosa economicamente ativa. A partir deste cenário, este artigo tem como objetivo principal identificar os problemas relacionados ao vestuário apresentados por mulheres idosas e propor uma coleção de moda que apresente soluções e inovações tecnológicas de tecidos para a indumentária deste público. O procedimento técnico utilizado foi de revisão bibliográfica e pesquisa de campo não probabilística, com abordagem quantitativa e análise qualitativa realizada por meio de entrevistas com 78 mulheres acima de 60 anos. O envelhecimento populacional, as mudanças físicas causadas pela idade, a moda para este público e o design inclusivo com o uso de tecidos nanotecnológicos inteligentes são alguns assuntos abordados nessa pesquisa. Os resultados obtidos pela pesquisa permitem compreender que o mercado da moda brasileira não está suficientemente preparado para atender as demandas e preferências das mulheres idosas e que as mesmas ainda têm preconceito em relação à utilização de tecidos tecnológicos no dia a dia.

Biografia do Autor

Claudia Schemes, Universidade Feevale

Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/RS). Professora na Universidade Feevale (Novo Hamburgo/Brasil). E-mail: claudias@feevale.br.

Malusa Fernanda Schuch, Universidade Feevale

Mestranda em Processos e Manifestações Culturais pela Universidade Feevale (Novo Hamburgo/RS). Bolsista Prosup Capes. E-mail: malusa.fernanda@gmail.com.

Referências

CAMARANO, A. A. Mulher idosa: suporte familiar ou agente de mudança? Revista Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, set/dez, 2003.

EL PAÍS. Roupa anti-mosquito contra o zika. 2016. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/14/politica/1457980360_213150.html>. Acesso em: 31 mai. 2019.

GOLDENBERG, M. Coroas: corpo, envelhecimento, casamento e infidelidade. Rio de Janeiro: Record, 2013.

GOMES, M. C.; LÜDORF, S. M. A. Idoso, moda e sedentarismo: possíveis relações. Revista Eletrônica da Escola de Educação Física e Desportos, Rio de Janeiro, n. 2, p. 158-167, 2009. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/9150/7280>. Acesso em: 20 mai. 2019.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características gerais dos domicílios e dos moradores: 2018. [Recurso eletrônico]. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. 2019. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101654_informativo.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2019.

LAZZARETTI, L. L.; HUPFFER, H. M. Nanotecnologia: o olhar da ciência sobre a toxicidade e os potenciais riscos destes produtos. Revista Conhecimento Online, Novo Hamburgo, a. 10, v. 3, p. 79-100, out. 2018. Disponível em: <https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistaconhecimentoonline/article/view/1604>. Acesso em: 06 abr. 2020.

MARQUES FILHO, A.; ABDALA, L. P.; CAMARGO, F. P. Design de moda ou design de vestuário? 11º P&D Design – Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, Gramado, 2014.

MOTTA, F. de M. Velha é a vovozinha: identidade feminina na velhice. 1. ed. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 1998. 142 p.

NERI, A. L. Envelhecimento e qualidade de vida na mulher. 2º Congresso Paulista de Geriatria e Gerontologia. Universidade Estadual de Campinas, 2001, p. 1-18.

ONU – Organização das Nações unidas. Mundo terá 2 bilhões de idosos em 2050; OMS diz que ‘envelhecer bem deve ser prioridade global. 2014. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/mundo-tera-2-bilhoes-de-idosos-em-2050-oms-diz-que-envelhecer-bem-deve-ser-prioridade-global/>. Acesso em: 29 abr. 2019.

PIMENTEL, L. F. et al. Nanotecnologia farmacêutica aplicada ao tratamento da malária. RBCF. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 43, n. 4, p. 503-514, 2007.

PRODANOV, L. S.; REINKE, C. A mulher madura e o consumo de moda no Brasil. Revista Prâksis, Novo Hamburgo, a. 13, v. 1, p. 121-137, 2016. Disponível em: <https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistapraksis/article/view/439/374>. Acesso em: 06 abr. 2020.

SALGADO, C. D. S. Mulher Idosa: a feminização da velhice. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, v. 4, 2002. Disponível em: <https://www.seer.ufrgs.br/RevEnvelhecer/article/view/4716/2642>. Acesso em: 20 abr. 2019.

SÁNCHEZ, J. C. Têxteis inteligentes. Revista Química Têxtil, v. 82, 2006.

SCHUCH, M. F. Mulheres idosas e moda: desenvolvimento de coleção com inovações tecnológicas têxteis. Novo Hamburgo: 2019. 88 p. Monografia (Moda), Universidade Feevale, 2019.

SOLOMON, M. R. O comportamento do consumidor. São Paulo: Bookman, 2002.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2013.

VILLAS, A. A alma do negócio: como eram as propagandas nos anos 50, 60 e 70. São Paulo: Globo Estilo, 2014.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

Schemes, C., & Schuch, M. F. (2021). MODA, CONFORTO E INOVAÇÃO NO VESTUÁRIO DE MULHERES IDOSAS. Revista Conhecimento Online, 2, 159–186. https://doi.org/10.25112/rco.v2i0.2234

Edição

Seção

Artigos Livres